domingo, 4 de dezembro de 2016

Frase Mons João Clá Dias

Mais vale estarmos preocupados em fazer a vontade do Pai e nos voltarmos para a Eternidade, do que aflitos em coisas materiais e em tudo o que passa.

Mons João Clá Dias - 24/07/2007

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O olhar de Nossa Senhora

Nós devemos olhar para o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, que se mostra tão afetuoso, tão maternal, tão acolhedor,  fitar os olhos desta imagem. É pura imagem, uma representação, ela procura lembrar algo de Nossa Senhora. O que deve ser o olhar de Nossa Senhora, o olhar de Maria! Daria para purificar todos os pântanos do mundo, daria para purificar todas as almas que se encontram encharcadas de pecado! Contemplemos esse olhar de Maria, e pensemos na lição que o Menino Jesus nos dá no Presépio. Pensemos o quanto o Menino Jesus sofreu frio, sede, calor, fome, sofreu necessidades de toda a ordem. Ele não sabe falar, Ele geme, chora e isto tudo para me ensinar o quê? Ensinar a sofrer, ensinar a amar as contingências da vida, ensinar a me contentar com aquilo que eu tenho, e não ter uma ambição desordenada que me leva ao delírio, ao pecado, ao orgulho, à inveja, à calúnia, à maledicência e à impureza.
Aí está essa imagem que nos olha, que nos fita. Ela como que nos convoca também a sermos tão puros quanto Ela, a sermos tão dispostos ao sofrimento quanto Ela,  quanto São José e, sobretudo, quanto o Menino Jesus.
Mons João Clá Dias - Extraído da Meditação na Catedral da Sé 05/02/2005 adaptada à linguagem escrita, publicada sem conhecimento e/ou revisão do autor

domingo, 27 de novembro de 2016

Abraçar a cruz

Peçamos a graça de nunca fugir da cruz. Por mais que nossa natureza trema, nós devemos pedir forças. Nosso Senhor nos deu o exemplo, veio um anjo do céu para confortá-lo e Ele, nesse conforto, tocou adiante até o último suspiro. Sigamos nós o mesmo exemplo, não voltemos atrás em relação à cruz e saibamos abraçá-la, pô-la no ombro, carregá-la, deixar-nos crucificar e morrer. Consentindo, assim, que nossa alma se liberte e, purificados pelo sofrimento, poderemos ver Deus face a face na eternidade.

Mons João Clá Dias – Extraído de conferência 21/04/2000 - sem revisão do autor

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Um chamado para todos os séculos

Como católicos, devemos buscar a edificação de uma sociedade conforme aos preceitos evangélicos e, para isso, cabe-nos a responsabilidade de atrair as almas dispersas no mar revolto do mundo moderno e levá-las à barca de Pedro.
Não obstante, não poucas serão as dificuldades para exercer tão elevada função, sobretudo quando nos deparamos com nossas próprias insuficiências e falhas. Diante dessa desproporção, avançar e lançar as redes se afigura como algo impossível. O que nos é necessário para corresponder a uma missão tão superior às nossas capacidades? É o próprio Mestre quem nos responde, pela pena de São Paulo: “Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força” (II Cor 12, 9).
Portanto, quanto mais nos sentirmos incapazes de cumprir a vocação à qual Deus nos chama, maior deve ser nossa confiança no poder da voz que nos convoca. É vendo uma atitude de humildade cheia de fé que Nosso Senhor opera a pesca milagrosa, deixando patente que os bons resultados não dependem das qualidades nem dos esforços humanos. Ele confunde os fortes deste mundo e conduz os fracos à realização de obras grandiosas (cf. I Cor 1, 27).
Sejamos generosos e confiantes, pois também em nossas vidas Cristo apareceu ordenando: “Duc in altum! Eu os quero como instrumentos para renovar a face da Terra! Não tenham medo, pois Eu mesmo lhes darei as forças para a obtenção de um glorioso resultado!”

Mons João Clá Dias – Texto extraído O Inédito sobre os Evangelhos vol VI

sábado, 19 de novembro de 2016

Frases Mons João Clá Dias


A pessoa pode ter todos os livros de uma biblioteca sobre os carismas e a vida religiosa, mas se não conhece o fundador, não conhecerá nada sobre o próprio carisma.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Admiração

Sejamos nós ricos, sejamos nós pobres, o que nos importa é ter admiração; este senso de contemplar os dons de Deus dados aos outros. 
Portanto, o problema não está entre pobre e rico, rico e pobre. O problema está na natureza humana. É feliz quem é pobre e admira os outros. É infeliz quem é rico e inveja os outros. Esse é o grande mal da nossa sociedade. Fala-se em miséria, fala-se em injustiça social. E, andando por este mundo, nós de fato encontramos isso. Mas a causa principal de tudo isso está na inveja, na falta de admiração. Todos os que são mais do que nós merecem nossa admiração, nós temos obrigação de admirar quem é mais.
Nós somos chamados a colocar nossa felicidade no Menino Jesus, em Maria, em São José , no sobrenatural, na eternidade.  
Para isso, nós Vos pedimos, Ó Mãe Santíssima, esta graça insigne: de sermos almas admirativas.

Mons João Clá Dias – extraído meditação 04/01/2003

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Frase - Mons João Clá Dias



Estejamos sempre atentos e desejosos de fazer o bem para os outros. E quando nós o fazemos, desce sobre nós uma graça maior do que sobre os outros. Porque quem dá recebe mais do quem recebe.